"RAQUITISMO"

Além das verminoses e enterites por protozoários que serão vistas à parte, uma patologia conhecida antigamente (antes do advento das rações) muito comum era o "raquitismo" agora denominado OSTEODISTROFIA HIPERTRÓFICA, que se manifestava como um entortamento ou encurvamento dos membros especialmente anteriores e um afinamento do trem posterior, muito dolorido (o animal quase não se movimentava devido às terríveis dores ósteoarticulares) e que na época era tratado com injeções de cálcio, vitaminas do complexo B e analgésicos, atualmente quase não são mais vistas devido ao balanceamento de nutrientes nas rações.


As verminoses em animais corretamente vermifugados e cujas mães também são vermifugadas praticamente não trazem sintomatologia aos filhotes, sintomas como convulsões e anemia severa, além de diarréias (diarréias verminóticas).

Existem também infecções na pele abdominal ventral sob a forma de pequenas pústulas, que regridem espontaneamente.

Na dúvida procure não automedicar o animalzinho e leve-o ao veterinário...


 "GIARDÍASE"

A giardíase é uma doença causada pelo protozoário Giardia sp e sua manifestação na forma entérica (existe a forma hepática, mais grave) é de enterite
sanguinolenta, fétida, às vezes acompanhada por períodos de vômito e inapetência.
Os cães e gatos pouco infestados, ou na fase fora da crise, não apresentam sintomas constantes de diarréia. Esta pode ocorrer esporadicamente uma vez por semana, a cada 15 dias, ou uma vez por mês. E no dia seguinte ao episódio de diarréia e vômito, tudo parece estar normal.
Os animais mais severamente parasitados apresentam constantes episódios de fezes amolecidas e vômitos, sendo muitas vezes confundidos com intolerância alimentar à ração ou a outro alimento.

O exame de fezes simples não é suficiente para o diagnóstico da Giardia sp.
Devem ser feitos vários exames em amostras seriadas, centrifugadas e adicionadas com meios de enriquecimento e flutuação em laboratório. Peça ori
entação para o seu veterinário.
No local onde vivem grupos de animais em confinamento, há a possibilidade constante de reinfestação. Fale com o seu veterinário a respeito da higienização do local. Cuidado: a giardíase passa para as pessoas.
Gatos em apartamento adquirem a doença quando um outro gato é introduzido no grupo (por exemplo por adoção ou aquisição). Utilizando o banheirinho
ele introduz a Giardia sp, e os outros se infestam através do hábito de se lamberem para limpeza e mutuamente.
Os cães adquirem a giardíase entrando em contato com fezes infectadas em pracinhas, ruas, becos onde outros cães caminham sem guia e coleira.        

A erradicação é difícil devido à resistência dos cistos no ambiente.
                          Para cães existe a vacina curativa e preventiva, uma primeira dose e um reforço após três semanas.                                                 Ex
istem medicamentos voltados para a giardíase na alopatia e na homeopatia.



"ISOSPOROSE"

 Outra parasitose intestinal provocada por protozoários, com sintomas semelhantes ao da Giardia sp (enterite sanguinolente) é a isosporose causada por Cystoisospora sp.
Acomete cães e gatos, o contágio é semelhante (cistos no ambiente, nas pracinhas, nos banheirinhos dos gatos), a h
igienização deve ser bem feita.
O tratamento é feito com medicamentos diferentes dos da giardíase, e o diagnóstico obtido por exame de fezes.
                                                                                                                             Consulte o seu veterinário. Nunca medique por conta própria.


"VIROSES"

A cinomose é uma doença causada por um vírus. Pode ser transmitida por contato direto com cães infectados, por conteto indireto através de roupas,  sapatos, mãos sem lavar e que manusearam cães doentes, e pelo vento vindo de outros quintais onde há casos de doença em cães. Fômites (casinhas, roupinhas, comedouros e bebedouros, coleiras e guias pertencentes a cães doentes e que foram passados para frente.
Ela pode se manifestar de forma abrupta como uma convulsão, que depois se torna mais frequente, até "descadeirar" o cão, e ele gemer e convulsionar
até ser levado ao veterinário para eutanásia.


Uma outra forma de manifestação da doença é através de inapetência, focinho quente e seco, indisposição (por vezes acompanhada de uma enterite mu
cosanguinolenta que até mascara os sintomas). Febre, tosse, conjuntivite purulenta com um sinal característico de aros de óculos em volta dos olhos
e corrimento mucopurulento das vias nasais, emagrecimento e dificuldade de locomoção, paresia do trem posterior "mal dos quartos". É característico
o endurecimento dos coxins plantares com fissuras, depois o doente se torna alheio ao ambiente à sua volta, geme constantemente, até ser levado para
eutanásia.


Animais tratados e que sobrevivem à doença na fase aguda, muitas vezes exibem um "tic" nervoso, constante e involuntário, em um ou ambos os membros posteriores ou anteriores, mandíbula inferior ou alto da cabeça.


A casa/quintal onde um cão com cinomose vivia, deve ser muito bem desinfetada, deve receber muito sol, e deve-se aguardar no mínimo 06 meses a 1 ano até colocar outro cão (vacinado), pois o vírus é muito resistente. Utilizar germicidas na lavagem frequente das áreas. Não reaproveitar comedouros e bebedouros de plástico, guias e coleiras de couro ou nylon, caminhas de pano, casinhas de madeira e plástico. Os bebedouros e comedouros de aço ou
alumínio devem ser flambados, assim como correntes e enforcadores de aço.
Outras espécies de "pets" como a doninha ou furão (ferrets) são suscetíveis ao vírus da cinomose e devem ser vacinados conforme orientação do veterinário especializado em animais exóticos.


"EHRLICHIOSE, BABESIOSE e HAEMOBARTONELOSE‏"

Estas três doenças são causadas por protozoários, as duas primeiras em cães e a terceira em gatos.
A transmissão ocorre através da picada do carrapato (infectado com sangue de cão portador) e nos felinos por pulgas (infectadas por sangue de gato
portador). Tanto nos cães como nos gatos, a transfusão de sangue pode ser uma das vias de transmissão, porém o sangue de doadores caninos e felinos
é testado nos hemocentros, e descartado caso seja + para os hemoparasitas citados.

Todos os três hemoparasitas são responsáveis por estados anêmicos por diversos mecanismos.
A Ehrlichiose interfere na produção de plaquetas a longo prazo. Pode passar sem sintomas por até 8 anos (tivemos um caso), e é comum o cão neste estágio da doença apresentar hemorragias espontâneas, repentinas, tanto é que o proprietário acaba desconfiando de que seu animal levou um pontapé que o feriu ou que brigou ou caiu de algum lugar.

Uma outra forma de manifestação é com febre ligeira 40 graus, que persiste mesmo com antibióticos. Há caminhar cambaleante e tremores musculares, podendo ser confundida com a cinomose.
A Babesiose se manifesta como uma anemia profunda e icterícia (amarelamento da pele e mucosas), pelo mecanismo de hemólise (causa da icterícia).

A Hemobartonelose (Haemobartonella sp) causa uma anemia profunda e icterícia no gato.
Existe tratamento para todos os casos, especialmente aqueles detectados no início por hemogramas e pesquisa de hematozoários. Em casos avançados a possibilidade de sucesso do tratamento é diminuta.

A prevenção é em relação aos carrapatos; em regiões onde eles ocorrem é necessário proteger os cães, ou com carrapaticidas, (coleiras, aerosóis, ba
nhos), homeopatia (imunização), e para felinos, mantê-los protegidos contra pulgas com coleiras ou produtos "spot-on" derramados sobre a nuca, de formulação própria para felinos.

Consulte sempre o seu veterinário sobre exames e produtos utilizados.


"VERMINOSES"

Aqui em São Paulo, nos cãezinhos, as verminoses também se tornaram mais raras. Isto porque há muita orientação a respeito da desverminização,         em folhetos, pet-shops, revistas de bairro.

Aos 21 dias é recomendável a administração da primeira dose de vermífugo para filhotes, na forma líquida, repetida três semanas depois e trinta dias
depois da segunda dose.

Os vermífugos hoje são polivalentes, de ampla abrangência e acessíveis. A margem de segurança é grande, porém sempre se deve consultar o veterinário a respeito.

Não se deve administrar vermífugos ou qualquer outro Produto sem ler a bula a respeito de contra-indicações em relação aos seus componentes para algumas raças de cães sensíveis.

Existem também vermífugos de uso dermatológico, para cães e gatos, dependendo da idade (vem especificado na embalagem).                             

Verificar também o uso: alguns não podem ser usados em gatos.


"COPROFAGIA" 

 
A coprofagia (ingestão de fezes) é mais conhecida em cães. Não raro estes ingerem fezes de gato, que consideram um petisco, devido à textura (segundo alguns estudos feitos).
 
A ingestão de fezes de outras espécies (humana, de cavalos, de pássaros, de outros cães e as próprias fezes) têm outra conotação.
 
Em relação à ingestão de fezes pelos cães, de outros cães ou as próprias fezes, descobriu-se que é devido à carência de uma enzima pancreática, que existe numa quantidade muito baixa, menor que a normal, neste organismo, mas que existe nas fezes próprias
ou de outro cão.
 
Ao ingerir as fezes, o cão consegue suprir suas necessidades desta enzima, portanto, supre o organismo com a quantidade de enzimas necessárias.
 
Há produtos comerciais para serem adicionados às refeições e que deixam as fezes muito amargas, impedindo o cão de ingerí-las, porém em muitos casos são de pouca ajuda, pois o organismo carente tem que ser saciado, mesmo com sabor amargo.
 
O veterinário deve ser consultado sobre a melhor solução para cada caso, e, ao contrário do que se pensava, não são os parasitas intestinais os responsáveis pela coprofagia.
 
 
 
Dra. Angélica Úrsula Landau
CRMV-SP 02736
CRMV-j 09904 

 




Telefones:  (11) 9 8323-2253 (TIM) Whats App (11) 9 6902-2607 (Vivo)

(15) 3249-2314

e-mail adell1703@hotmail.com

ou

contato@canildellpropuppies.com.br


  Site Map